Donna Summer La Dolce Vita

domingo, 10 de agosto de 2014

Sevyn Streeter A Diva do momento.


Chay Suede vira sensação nacional, mas diz que não está ficando com ninguém: ‘Não tenho tempo’






http://extra.globo.com/

   
Chay Suede vira sensação nacional, mas diz que não está ficando com ninguém: ‘Não tenho tempo’

Luiza Souto

Chay Suede nunca pensou em ir à Califórnia (EUA) nem ser artista de cinema, mas sabia que sua estrela já brilhava forte em algum plano. Ao participar do reality musical “Ídolos”, em 2001, entrou na sala de audição com uma segurança incomum a um menino de 17 anos, tocando sua gaita, e avisou através dos versos de Lulu Santos e Nelson Motta: “O meu destino é ser star” . Saiu apenas em quarto lugar do programa, mas já com contrato para fazer a novela “Rebelde” e centenas de fãs adolescentes loucas por aquele par de olhos hipnotizantes, que vez ou outra deixa o seu entorno em profundo silêncio. Mas foi após interpretar o protagonista José Alfredo, nos primeiros capítulos de “Império”, que o capixaba caiu de vez nos braços do povo e passou a ser reconhecido por onde passa.
Gastei muito com roupa, comida, festa, carro, moto...
Chay Suede
— “O meu destino é ser star”... Nunca parei para pensar nisso. Engraçado que, na primeira vez que apareci na TV, estava segurando uma placa escrito “Ídolos” e gritando “eu vou ser o novo ídolo do Brasil”. Dá para perceber que estava morrendo de vergonha. Era muito tímido e tive que repetir várias vezes. Pensei: “que frase pretensiosa”. Em seguida cantei isso. Foi coincidência — conclui Roobertchay Domingues da Rocha Filho, Chay desde criança e Suede a partir do reality show, em homenagem ao filme “Johnny Suede”, com Brad Pitt.
Chay Suede vira sensação nacional, mas diz que não está ficando com ninguém: 'Não tenho tempo'
O ator-cantor ainda se sente surpreso com a repercussão de seu último papel:
— Não imaginava esse sucesso, numa novela das nove, com um personagem aceito pelo Brasil como há muito não se via nas novelas. Nem no meu melhor sonho projetei isso.

Após os quatro capítulos em que ficou no ar, a agenda do moço precisou de reforço. Com um disco para gravar, dois filmes já rodados, dois por fazer e mais dois a serem estudados para depois de gravar “Babilônia”, novela que substituirá “Império”, as cerca de três horas dormidas por noite são compensadas pelo reconhecimento.
— Está muito corrido, mas gostoso. São, no mínimo, três compromissos de trabalho por dia. Tenho feito coisas que nunca fiz, falado com veículos que nunca me entrevistaram, conhecendo pessoas e lugares. É uma descoberta constante no meio da correria — empolga-se o músico e ator, procurando em seu celular a melhor trilha sonora para embalar a sessão de fotos e a entrevista: — Coloquei Paul McCartney e agora vou de Rosetta Howard em uma coletânea de blues que tenho.
Moro num apartamento alugado, mas quero ver se até o fim do ano compro alguma coisa
Chay Suede
Morando atualmente no Jardins, região nobre de São Paulo, Chay já faz planos para ter seu primeiro imóvel com o retorno dos trabalhos, e lista as conquistas que obteve com o dinheiro que vem ganhando.
— Gastei muito com roupa, comida, festa, carro, moto... E dei muito. Não tenho o menor apego com grana. Está precisando? Toma! Moro num apartamento alugado, mas quero ver se até o fim do ano compro alguma coisa, talvez esse mesmo. Sempre penso que meu imóvel será em São Paulo, mas quero também comprar uma chácara ou uma casa grande aqui no Rio, em Vargem Grande (Zona Oeste). Aí tem que ter mais dinheiro — reflete.
Hérica Godoy, de 41 anos, é quem ajuda o primogênito a afinar sua vida pessoal.
Com 15 anos, ele teve que estudar em escola pública porque as coisas apertaram mais.
Hérica Godoy
— Até pouco antes do “Ídolos” eu vendia carros. Hoje o dinheiro que recebo vem dele. Ele é meu patrão! — brinca a mãe, que muda o tom da voz ao lembrar dos tempos difíceis: — Passamos dificuldade, mas nunca necessidade. Com 15 anos, ele teve que estudar em escola pública porque as coisas apertaram mais.
O pai, Roobertchay Rocha, de 44 anos, também se mostra zeloso com as finanças do herdeiro:
— Certa vez, um amigo em comum estava desempregado e precisava de R$ 12 mil para não perder o apartamento que morava. Chay ajudou na hora. Mas agora puxo mais a orelha dele. Ele tem que investir num imóvel.
Entre uma declaração apaixonada pelo filho e outra, o promotor de eventos ri quando lembra que casou com a mãe do ator por causa do nome e jura nunca ter tido qualquer problema com o dialeto inventado pelo pai, Salivaríamos de Paula Rocha, em que Roobertchay significa rocha.
Sempre fui muito comportado em casa. Nunca dei trabalho à minha mãe
Chay Suede
— Com 17 anos, estava de olho numa menina e, quando falei meu nome, a amiga dela, a Hérica, disse que, se um dia se casasse, colocaria o meu nome no filho. E casou com o próprio! Furou o olho da amiga! — brinca o grande parceiro de Chay, lembrando do melhor presente que já recebeu num Dia dos Pais: — Sem dúvida foi ele, meu primeiro filho! Eu estava louco para ser pai! Este dia é sempre uma festa, porque faço aniversário 17 de agosto, então sempre comemoramos juntos. Ele me mandava cartinhas, fazia declarações. Até hoje me liga para dizer que sou a pessoa mais importante da vida dele.
Hérica separou-se do pai de Chay quando o menino tinha 8 anos e seu irmão, Henrique, 6. Casou-se novamente e, deste relacionamento, teve Anelise, de 8 anos. Já o pai teve ainda Guilherme, de 10, Luiza, de 8, e Maria de 5.
— Eu não tinha nem 20 anos quando o Chay nasceu. Era meu sonho ser mãe e parei de tomar remédio com dois meses de casada. Cheguei a sofrer um aborto antes dele. Então, pense numa criança totalmente paparicada, amada. E ainda era o primeiro neto na minha família!

Nada de rebelde
Com jeito doce, porém firme, de falar, Chay enfatiza que nunca falou palavrão na frente dos pais e que ficção e realidade não se encontram na mesma melodia.
— Sempre fui muito comportado em casa. Nunca dei trabalho à minha mãe. “Não” era “não”. Nunca disse um “merda” ou “droga”. Mas na escola era mais bagunceiro. Minha mãe era chamada todo mês. Não gostava de estudar, mas no fim tirava nota boa.
Hérica valida a posição do filho, mas não deixa escapar o dia em que Chay teria cometido sua maior rebeldia:
— Com 15 anos, ele estava começando a sair e um dia chegou em casa e não falou nada. E ele sempre conversava comigo! Entrei no quarto, o mandei abrir a boca e senti cheiro de cerveja. Confesso que a bronca foi exagerada, mas era para ele aprender.
Acho que a gente não pode ser banana e bunda mole nessa vida
Chay Suede
Durante as gravações de “Rebelde” e dos shows do grupo Rebeldes, formado pelos protagonistas da novela, uma reportagem na internet adotou o nome do folhetim como uma característica de Chay. O então menino cogitou desistir de tudo, mas mostrou a persistência que carrega do pai e do avô.
— Nunca dei problema de bastidor. Escreveram num blog que eu queria um camarim exclusivo para mim. Em 2010 não sabia como era camarim e jamais ia pedir em nenhum momento da minha vida. Chorei. Tinha acabado de chegar no Rio, com 18 anos. Quis ir embora. Aí disseram que puxei faca para o diretor (Daniel Ghivelder). Isso é grave. E ele é amigo meu. Tivemos uma discussão, mais para conversa. Fiquei muito estressado, mas estou feliz porque agora, com “Império”, só saíram coisas positivas. Tenho certeza de que o grande público não faz ideia que um dia fui tratado como um rebelde.
Impressão de indomável desfeita, descortina-se um Chay mais impositivo.
— Sou o ser mais pacato do mundo. Mas acho que a gente não pode ser banana e bunda mole nessa vida. As pessoas acham que a gente não escuta, não sente, que nada nos afeta. A gente é gente, com carne de verdade! Se algum momento busquei satisfação com jornalista que falou algo de mim é porque acho que qualquer pessoa faria isso — diz, batendo a mão no braço, mostrando as veias, e os pés no chão.
Solto no mundo
Solteiro após terminar um relacionamento de três anos com a também atriz e cantora Manu Gavassi (antes ele se relacionou com Sophia Abraão), Chay diz que não sente falta de uma companheira. Nega estar namorando a atriz Laura Neiva (a Betina de “O rebu”), apontada como um novo affair, e diz o que o faria dedilhar a mais bela canção em seu violão.
— Não estou namorando nem pegando. Estou trabalhando muito. Não é porque não quero. Não tenho tempo! Essa é a primeira vez que estou solteiro depois de ter feito alguma coisa na TV. Estou gostando porque consigo me dedicar aos afazeres. Está bom como está. Não estou sentindo falta — frisa o ator, que não exige grandes feitos na hora da conquista: — É só dar um sorriso bonito e me esperar!

Admirador de lábios carnudos, Chay não se intimida ao afirmar que é namorador. Lembra que, afinal, só tem 22 anos! Traumatizado com o primeiro beijo, denuncia, porém, dificuldade inicial com as mulheres.
— Perdi o “BV” (boca virgem, na linguagem dos adolescentes) com 11 anos. A menina me agarrou! Ela tinha 15 e se apaixonou por mim, não sei como. Disse para meu pai que estava querendo dar uns beijos nela. Na hora, gelei. E ela veio com tudo. Foi meio assustador. Era muito intenso. Fui beijar de novo só um ano depois e aí gostei muito — sorri malandramente: — Mas minha primeira vez foi ótima. Deu tudo certo. Foi com 14 anos.
Hérica ri da história, mas garante que os primeiros acordes do filho começaram bem antes disso:
— Quando o Chay tinha 2 anos estávamos na casa de uns amigos. Era Copa do Mundo de 94. Num determinado momento começamos a procurar a filhinha do casal e percebemos que Chayzinho tinha sumido também. Quando vimos, os dois estavam embaixo da bandeira do Brasil se beijando. Ele é muito precoce. Na festa de aniversário de 1 ano ele recebia os presentes e respondia com “obligada”.
No embalo das lembranças, a empresária narra um sufoco que seu filho passou aos 17 anos por conta de suas aventuras amorosas:
— Uma namoradinha desconfiou que estava grávida e ele não queria me contar. Sem dinheiro para comprar o teste de farmácia, ele e um amigo se fantasiaram de personagem de cinema. Estava tendo uma mostra de filmes na Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) e eles foram para o sinal pedir dinheiro para o evento. Compraram o teste e, graças a Deus, deu negativo! Gostaria muito de ser avó, mas aguento mais cinco ou seis anos!
Acostumado às investidas de meninas mais novas, agora Chay acha graça do assédio de um público, digamos, mais experiente, após “Império”.
— Uma coroa uma vez disse “Oh, Zé, tem uma mina lá na minha cama” — conta, meio que impactado com o atrevimento: — E um amigo meu chegou e disse: “Você reacendeu o fogo da minha avó”. É uma honra!
Colaborou: Carla Bittencourt
Agradecimento: Hotel Casa Beludi


Leia mais: http://extra.globo.com/tv-e-lazer/chay-suede-vira-sensacao-nacional-mas-diz-que-nao-esta-ficando-com-ninguem-nao-tenho-tempo-rv1-1-13528182.html#ixzz3A0r9RNeT